Nancy Pelosi aterrissa em Taiwan em meio a tensão entre EUA e China

    Por CNN Brasil

    Sob ameaças da China, o avião da Força Aérea dos Estados Unidos transportando a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, aterrissou nesta terça-feira (2) em Taiwan. O Ministério das Relações Exteriores da China alertou sobre o “grave impacto político” da visita.

    O voo foi o mais acompanhado do dia no site de rastreamento aéreo Flightradar24. O avião deixou a capital malaia de Kuala Lumpur às 04h42, no horário de Brasília, e voou para o leste em uma rota que contornava o Mar da China Meridional.

    Fontes haviam indicado que Pelosi era esperada na capital taiwanesa de Taipé nesta terça-feira (2).

    Um alto funcionário do governo taiwanês e um funcionário dos EUA informaram à CNN que a presidente da Câmara deveria incluir Taiwan na rota de sua turnê pela Ásia, apesar das advertências de funcionários do governo Biden, que estão preocupados com a resposta da China a uma visita tão importante.

    A parada – a primeira para um presidente da Câmara dos EUA em 25 anos – não está no itinerário público de Pelosi e ocorre em um momento em que as relações entre Estados Unidos e China estão em baixa.

    Uma autoridade taiwanesa acrescentou que ela deve passar a noite em Taiwan.

    Pelosi chegou a Singapura nesta segunda-feira (1º) para a primeira parada oficial da turnê pela Ásia, onde se encontrou com o presidente do país, o primeiro-ministro e outros altos funcionários.

    Nesta terça-feira (2), a mídia estatal da Malásia, Bernama, confirmou que Pelosi e uma delegação do Congresso estava no país para se encontrar com o primeiro-ministro e o presidente do parlamento.

    O itinerário da delegação ainda deve incluir escalas na Coreia do Sul e no Japão, mas nenhuma menção foi feita a uma visita a Taiwan oficialmente.

    A autoridade dos EUA acrescentou que funcionários do Departamento de Defesa estão trabalhando 24 horas por dia para monitorar qualquer movimento chinês na região e garantir um plano para mantê-la segura.

    Durante um briefing regular do Ministério das Relações Exteriores nesta segunda-feira (1º), a China alertou contra o “grave impacto político” da visita planejada de Pelosi à ilha autônoma que a China reivindica como parte de seu território e reiterou que seus militares “não ficarão de braços cruzados” se Pequim sente que sua “soberania e integridade territorial” está sendo ameaçada.

    “Gostaríamos de dizer aos EUA mais uma vez que a China está de prontidão e que o Exército de Libertação do Povo Chinês nunca ficará de braços cruzados. A China adotará respostas resolutas e fortes contramedidas para defender sua soberania e integridade territorial”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, a repórteres, quando questionado sobre as consequências de Pelosi liderando uma delegação do Congresso em Taipé.

    “Quanto a quais medidas, se ela se atrever a ir, vamos esperar para ver”, acrescentou Zhao.

    O coordenador do Conselho de Segurança Nacional para comunicações estratégicas, John Kirby, disse na segunda que o governo Biden apoiará Pelosi em uma viagem a Taiwan.

    “Queremos ter certeza de que quando ela viajar para o exterior, ela possa fazê-lo com segurança e vamos garantir isso. Não há razão para a retórica chinesa. Não há razão para que ações sejam tomadas. Não é incomum que os líderes do Congresso viajem para Taiwan”, disse Kirby a Brianna Keilar, da CNN, no “New Day”.

    “Não devemos ser como um país – não devemos ser intimidados por essa retórica ou por essas ações em potencial. Esta é uma viagem importante para o orador e faremos o que pudermos para apoiá-lo, “Kirby continuou.

    - Publicidade -