Mais de 30 mulheres afirmam terem sido estupradas pelo influenciador Bruno Krupp

    Por O dia
    Mais de 30 mulheres relataram nesta terça-feira (3) terem sofrido supostos estupros cometidos pelo influenciador Bruno Krupp, 25 anos, que está preso sob custódia no Hospital Marcos Moraes, no Méier, na Zona Norte, acusado de atropelar e matar o adolescente de 16 anos, João Gabriel Cardim, na Barra da Tijuca, no último dia 30. A defesa de Bruno nega todas as acusações.
    Os casos vieram à tona após a modelo Priscila Trindade publicar no Instagram um relato sobre o abuso sofrido há cerca de seis anos. Ela contou que na época eles estavam ficando, mas que Bruno forçou o ato e ainda tentou filmá-la.
    “Ele chegou bêbado às 6h da manhã e me pegou à força. Falei várias vezes para ele parar e ele literalmente me forçou. Forçou mesmo! Depois de muito relutar, cedi e foi horrível. Era muito constrangedor porque, se eu gritasse, iria acordar a casa inteira e não tive coragem de ter uma atitude mais drástica. Fiquei chateada, mas ele falava tanta coisa idiota que eu só pensava em ir embora”, contou.
    Depois de relatar o caso, Priscila incentivou outras possíveis vítimas a contarem os momentos de violência sexual que teriam sofrido e, em seguida, compartilhou em seu perfil 36 relatos que acusam o influenciador de cometer supostos estupros.

    Em sua maioria, os relatos iniciam com as vítimas contando que flertavam com o modelo, mas que Bruno era agressivo e as forçaram a finalizar o ato sexual. Segundo as narrativas, elas não o denunciaram formalmente na Polícia Civil por medo.

    “Ele me forçou a transar com ele uma vez que eu não sabia o que fazer. Ele me trancou em um quarto, a empregada teve que bater na porta pra ele abrir. Depois, sempre que me encontrava ficava falando que nada aconteceu. Ele ainda roubou um brinco meu, escondeu meu celular pra eu não chamar Uber e meter o pé. Disse que só me devolvia depois que eu transasse com ele”, relatou uma mulher.

    Uma outra vítima disse que decidiu não contar para ninguém por medo de julgamento na sociedade. “O cenário foi basicamente o mesmo, não contei pra ninguém na época porque eu certamente seria julgada por ter me submetido a ficar com ele, mas a real é que nem eu sabia que ele era dessa índole”

    Já uma outra mulher escreveu que se sente culpada por não ter formalizado a denúncia. “Tô me sentindo tão culpada lendo tudo isso, infelizmente passei pela mesma situação, só que 10 anos atrás, em 2012. Uma jovem de 14 anos que nem soube como reagir a esse fato. Como eu queria ter tido forças para denunciar na época, me sinto um pouco culpada por saber que ele continuou todos esses anos criando novas vítimas. Sinta-se abraçada, você não está sozinha”, disse a vítima para a modelo Priscila Trindade.

    Ainda segundo as novas denúncias, Bruno também costumava filmar as mulheres nuas durante o os supostos abusos. “Ele tentou me filmar escondido. Estou surpresa porque até então era um flash que eu tinha na cabeça um amigo dele que tentar filmar. Ele falou que eu estava doida, que não tinha acontecido, mas eu tinha certeza. Até o amigo me mostrou a galeria dele de fotos, mas isso também não quer dizer nada. Depois disso nunca mais tive contato com ele”, disse.

    - Publicidade -